"Nestas impressões sem nexo, nem desejo de nexo, narro indiferentemente a minha autobiografia em factos, a minha história sem vida. São as minhas confissões, e, se nelas nada digo, é que nada tenho que dizer." [livro do desassossego. fernando pessoa]

segunda-feira, 20 de julho de 2009

surrupiando .


OLHAR

Já fui inventor de segredos. Desses que param por horas, adivinhando o por detrás dos olhos alheios. Era só escolher um tronco, um banco, um batente, uma beira de muro sem vidro e parar. Via a vida passar com suas curvas, suas cores, sua polifonia e seus odores. Lia tudo ali: no livro embaixo do braço, no jeito de acender o cigarro, na maneira do cuspe estatelar-se no asfalto. Sabia todos os de onde e pra onde, os porquês e os serás. Era Deus, um menino brincando de bonequinho, ignorando os que me desejavam e desejando os que me ignoravam. Mas um dia, nem sei bem por qual motivo, parei de enxergar. E foi nesse exato momento, que os olhos do mundo começaram a me inventar.


surrupiado daki [[]]