"Nestas impressões sem nexo, nem desejo de nexo, narro indiferentemente a minha autobiografia em factos, a minha história sem vida. São as minhas confissões, e, se nelas nada digo, é que nada tenho que dizer." [livro do desassossego. fernando pessoa]

sábado, 14 de agosto de 2010

Desconstrução do Sistema Educacional [é possível?]

Tradução de trechos retirados desse site
::: [[[+]]] :::

Mês passado (julho), Erica Goldson se graduou com oradora da sua turma da escola Coxsackie-Athens de ensino médio.
Ao invés de usar seu discurso de formatura para celebrar o triunfo de sua vitória, a escola e os professores que tornaram isso possível, ela trouxe seu lado Ivan Illich à tona e desconstruiu a lógica do papel de uma Oradora e de todo o Sistema Educacional.



trechos do discurso:

Aqui estou eu

Existe uma história de um jovem, mas esforçado estudante Zen que perguntou à seu Mestre:
“Se eu me esforçar e trabalhar duro, quanto tempo levará para eu encontrar o Zen?”

O Mestre pensou por um momento, e respondeu: “Dez anos..”

O estudante então disse: “E se eu trabalhar mais rigorosamente ainda e me aplicar para aprender rápido - - então quanto tempo?”

Respondeu o Mestre: “Bem, então 20 anos”

“Mas, e se eu realmente me esforçar muito, quanto tempo?” perguntou o estudante.

“Trinta anos” respondeu o Mestre.

“Mas eu não entendo” disse o estudante desapontado. “Cada vez eu digo que me esforçarei mais e o senhor diz que me levará mais tempo. Por que diz isso?”

Respondeu o Mestre: “Quando você mantém um olho no objetivo, só fica com um no caminho”

E esse é o dilema com o qual me deparei inserida no Sistema Educacional Americano.
Nós estamos focados num objetivo, seja ele passar numa prova, ou se formar como primeiro da classe.
Contudo, dessa maneira, acabamos não aprendendo realmente.
Apenas fazemos o que é preciso para alcançar nosso objetivo original.

[…]

Agora eu completei meu objetivo. Estou me formando.

Eu deveria olhar para isso como uma experiência positiva, especialmente me formando no topo da minha classe.

Contudo, em retrospecto, eu não posso dizer que sou mais inteligente que meus colegas. Posso apenas dizer que sou a melhor em fazer o que sou ordenada e trabalhar dentro do sistema.

Ainda, aqui estou eu, e supostamente deveria estar orgulhosa por ter completado esse período de doutrinamento.

Irei partir no outono para a próxima fase do que é esperado de mim, para conseguir um pedaço de papel que certifica que sou capaz de trabalhar.

Mas eu digo que sou um ser humano, um ser pensante, um aventureiro – não um trabalhador.
Um trabalhador é alguém que está preso dentro da repetição – um escravo do sistema que lhe é oferecido.

Mas agora eu mostrei com sucesso que fui a melhor escrava.

Eu fiz o que fui mandada ao extremo. Enquanto outros sentavam na sala e rabiscavam em seus cadernos para mais tarde se tornarem grandes artistas, eu me sentava na sala para anotar tudo e me tornar a melhor fazedora de provas. Enquanto outros chegavam para a aula sem sua lição de casa feita porque usaram seu tempo para ler algo de seu interesse, eu nunca perdi uma tarefa. Enquanto outros estavam criando músicas e escrevendo letras, eu decidi por fazer as tareas extra, mesmo que nunca tenha precisado dessa nota.

Entao, eu me pergunto, por que eu sequer quis essa posição? Com certeza eu mereci, mas o que isso vai me trazer? Quando eu deixar esse universo da educação institucionalizada, terei eu sucesso ou estarei perdida para sempre? Eu não tenho idéia do que fazer com a minha vida; Eu não tenho interesses porque via todos os assuntos de estudo como trabalho, e eu tive excelência em todos os objetivos simplesmente para ser excelência, não para aprender.
E sinceramente, agora estou assustada.

[...]



Nós somos mais do que estantes de livros robóticas, condicionadas a egolir os fatos que ensinados na escola.
Somos todos muito especiais, todo ser humano desse planeta é especial, então não somos nós merecedores de algo melhor, de usar nossas mentes para a inovação ao invés de memorizar, para criatividade ao invés de atividades inúteis, para repensar ao invés de estagnar?
Nós não estamos aqui para conseguir um diploma, para então conseguir um emprego, e então consumir produtos industrializados pré-aprovados passivamente.
Há muito mais do que isso.


[...]

:::

Apesar de ser uma aluna do Sistema Educacional dos Estados Unidos, sabemos que no contexto globalizado de hoje, o mesmo sistema é aplicado praticamente em todo o mundo.

Uma reforma no sistema educacional prevê uma reforma na forma de se enxergar o ser humano.

Ser humano ligado à criatividade e liberdade de expressão de suas paixões.

Não ligado à sistemas de doutrinação que acabam por limitar e oprimir.

Mas ainda acho meio impossível uma aplicação dessa queda do sistema educaional vigente..

... discurso inspirador o da garota pelo menos^^

achei bonito que pessoas acordando estão everywhere (:

Nenhum comentário: