"Nestas impressões sem nexo, nem desejo de nexo, narro indiferentemente a minha autobiografia em factos, a minha história sem vida. São as minhas confissões, e, se nelas nada digo, é que nada tenho que dizer." [livro do desassossego. fernando pessoa]

domingo, 29 de janeiro de 2012

"Eu?

Eu não sou somente boa. Sou uma pessoa muito bonita. Generosa e linda - e quem aguentar, aguentou. Como prêmio, terá meu amor. Saberá da minha verdade. Dará boas gargalhadas. Mas terá que suportar uma boa dose daquilo que sinto. Pois, apesar de tudo ser diversão, nada é simples. Nada é pouco quando o mundo é meu."

-pág.59, O efeito uranO, Fernando Young.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

olha! um mapa!

No mapa acima podemos ver os locais de intervenção dos Estados Unidos desde a Segunda Guerra Mundial.
Temos ai então os países-alvo, as explosões mostrando onde realmente ouve ataque bélico e a seta indicando intervenções envolvendo assasinatos.
Esse mapa faz parte da obra "Killing Hope:U.S. Military and CIA intervention since World War II" do William Blum.

Ler a matéria onde achei esse mapa >>>>><<<<<< , me fez pensar na política internacional dos Estados Unidos hoje. E assim pesquisei um pouco e achei algumas resoluções feitas em 2010, entre elas: 

Guiding Principles[+]

President Obama has pursued national security policies that keep the American people safe, while turning the page on a decade of war and restoring American leadership abroad.[...]

The National Security Strategy

The National Security Strategy, released May 27, 2010, lays out a strategic approach for advancing American interests, including the security of the American people, a growing U.S. economy, support for our values, and an international order that can address 21st century challenges.


Coloca então defender a segurança nacional como o mais importante nesse setor, seguindo de uma afirmação de que querem virar a página depois de uma década de guerras e novamente colocando que a liderança mundial dos Estados Unidos deve ser alcançada.

Acho irônico que num mesmo parágrafo consigam negar a guerra uma vez e a justificarem duas vezes.

Outro aspecto interessante que notei, foi como "defender nossos valores" parece realmente muito importante, acho que esse seria um aspecto cultural forte dos Estados Unidos, não deixando claro nunca o que seriam esses "valores"; me parece algo muito ligado à religião e à uma elite conservadora que usaria dessa palavra pra defender aquilo que julga correto.


:::

Fiquei curiosa pra saber qual a política internacional oficial do Brasil. 
Vou ver isso ai e se for interessante eu posto alguma coisa ;)

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

sorria

:::

sorria pro espelho não só pras outras pessoas.

feche os olhos e sorria para dentro. 



domingo, 22 de janeiro de 2012

Sociability is just a big smile, and a big smile is nothing but teeth.
Jack Kerouac (The Dharma Bums)

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

livros, relações humanas e o clitóris inchado

Ontem [dia 17] descobri o site ~skoob~ 
rede social super legal de livros,
passei um tempão tentando atualizar minha estante com todos os livros que já li.

Ainda não coloquei todos, mas já foram 130 livros.

Achar cada livro, relembrar da capa, do momento da minha vida em que os li, se me emocionei qdo os li...

Nessa onda foi que percebi que cerca de 100 deles li num período de mais ou menos 3 anos da minha adolescencia :)  2,7777 livros por mês.  lol
Se me lembro bem, chegava a pegar 3 livros pra ler numa semana e frequentava assiduamente a biblioteca da cidade.
 
Na época que todos começam a ter amorezinhos, namorados, explorarem a sexualidade eu passei lendo e me sentindo inferior quando tentava socializar.
Assim cheguei aos 18 anos sabendo muitas ficções, me sentindo bem espertinha, com mtas teorias sobre a vida, o universo e tudo mais; mas sendo bem fraca no quesito relações sociais.

Lidar com pessoas sempre me pareceu mto dificil: temos num primeiro plano as regras sociais e padrões de comportamento esperados de alguem normal, e num segundo plano as complexidades pessoais de cada pessoa.

Sinceramente vos digo que hj, com 21 anos ainda continuo meio inapta às relaçoes consideradas "normais". É uma maravilha poder desenvolver minhas capacidades de me relacionar sem as pressões da adolescencia. :)
Gostar da espontaneidade e da sinceridade sempre foram caracteristicas bem marcantes da minha pessoa; e sempre tive problemas com isso nas minhas relações - sejam elas românticas ou não.
As regras, os padrões do que pode ser dito ou não, do que é acetável, do que me torna normal. -> são uma ferramenta [aos meus olhos], uso quando necessário, com quem é necessário, pelos motivos que eu escolho.

:::

Aí fiquei com vontade de ler e assim hj a tarde [dia 18] fui visitar meu sebo preferido em Bragança :)

achei um livro da Fernanda Young - "o efeito urano"
dei uma lida na contracapa e tinha a palavra ~erotico~ e imediatamente comprei
hahahahhaha

"é muito mais que um romance erótico [...] é sobre amar loucamente alguém que conhecemos ontem"

E alias o amor retratado é entre duas mulheres x)

a seguir minhas citações preferidas nele até agora:

"Após esse dia , nunca mais a vi, até que nos reencontramos - sendo impressionante que 'nunca mais' possa ser usado desse jeito, 'nunca mais até que...'. Mais impressionante de que isso só mesmo ver uma pessoa numa festa, achá-la patética, e tempos depois a estarmos amando, para tempos depois não estarmos mais. Essa incoerência do amor quando revisto."

"É.  A vida é difícil.  Difícil sentir um melado no meio das pernas e falar sobre CD. Difícil sentir o clitóris inchado e permanecer parada."


:::

;)